Archive for Março 2013

Tu, Presidente - Centro Histórico

Ler mais » | 2 Comments »


Na semana passada pedimos contributos para a revitalização do Centro Histórico de Braga. Além das imensas partilhas e gostos, recebemos dezenas de contributos válidos para devolver vida  a este nobre espaço da cidade de Braga. Obrigado a todos os que desta forma estão a ajudar-nos a preparar este projecto de uma forma mais equilibrada e com o contributo daqueles que realmente interessam: os Bracarenses. Aqui ficam as ideias que nos enviaram. 





Karl Donnelly Incentivos para as pessoas para abrir lojas. Subsídios de rendas ou uso de lugares que foram deixadas sem uso há anos. Um teto de renda em que as pessoas não são abusados e incapaz de prosperar devido a rendas excessivamente elevados 





Ana Rodas Apostar mais na cultura. E o parque da Ponte? Porque não animar este local da cidade? Anda às moscas... Estou convencida que muitos Bracarenses nunca puseram lá os pés. Deveriam apostar em outros locais da cidade! O Parque da Ponte é um deles. 





Luis Pereira Uma forma de revitalizar o centro histórico será repovoa-lo, tem que se fixar as pessoas para que sintam o espaço comum, como seu. De forma a poder-se criar pequenas comunidades de vizinhos que estabelecem relações entre si e o espaço que habitam. Uma das formas de isto acontecer seria revitalizar imóveis com estratégias de baixo custo. Com rendas baixas os jovens que não são avessos á mudança, aproveitariam a oportunidade criada. Atrás dos jovens, vinham pequenos comércios, bares, etc, o que atrairia mais jovens. Partilha de gabinetes de trabalho com valores baixo, etc.





Armanda Pires O centro é lindo....mas realmente necessita de ser revigorado. Há que pensar muito bem antes de estragar o que está bem feito. Há que construir e nunca destruir. 





Sofia Guise a quantidade de estacionamento pago no centro acho que é o principal motivo de não ir passear ao centro. 





Sandra Martins sou moradora no centro da cidade desde que nasci, a única coisa que vejo é cada vez mais dificuldade em conseguir chegar a casa!!!menos estacionamento, mas parcómetros, de que vale ter uma avença de estacionamento(em que tenho de pagar para a ter)quando, se quiser ir a casa durante o dia por qualquer motivo não tenho onde estacionar o carro e ainda tenho que pagar mais o parque. 





Mia Oliveira Cultura. Artistas de rua. Pôr o Theatro Circo a funcionar como deve ser e acabar com a cultura só para a elite. A cultura é de todos. Policiamento, (para segurança, para andarem à caço do ladrão e não à caça da multa), tanto de dia como à noite - o Parque da Ponte é um exemplo de falta de policiamento. Pôr quem percebe de cultura a sério à frente de programas para a cidade que envolvam não só a música, mas cinema, teatro, dança. Fazer do S. Geraldo uma sala de espectáculos.


Ler mais

Conferência de Imprensa

No Comments »

Serafim Rebelo, Vereador do "Juntos Por Braga", criticou os subsídios no valor de 60 mil euros atribuídos pela autarquia a 39 freguesias que se destinam a patrocinar processos judiciais para impugnar a reforma administrativa autárquica. O vereador abordou também o negócio do parque aquático e do hotel nas piscinas olímpicas.

Uma Santa Páscoa

No Comments »

Caro(a) Amigo(a),


No mais solene dos dias da "Semana Maior" de Braga, não posso conter o testemunho de que vivo sempre este período com redobrada alegria.


A alegria dos que revigoram a sua fé na afirmação de um Cristo redentor e que bebem do seu exemplo de sacrifício em prol dos outros;


A alegria de todos quantos participam voluntariamente em cada um dos actos do Programa da Semana Santa, como corolário de um longo ano de empenho e dedicação;


A alegria dos milhares que nos visitam e que desfrutam do muito que temos para oferecer;


A alegria da preservação das tradições populares mais genuínas, qual legado vivo de uma História bimilenar;


A alegria do reencontro que sempre se proporciona de parentes, amigos e vizinhos, num convívio que nos ajuda a minorar as agruras dos dias cinzentos.


Juntos, Acreditamos.


Votos de uma Santa Páscoa!

Ricardo Rio


"Desejo de mudança é transversal a todas as freguesias de Braga "

No Comments »

Ricardo Rio reuniu com autarcas do “Juntos Por Braga”

Os representantes dos executivos liderados pelo “Juntos Por Braga” estiveram reunidos no Hotel Mercure, numa reunião de trabalho que teve como objetivo preparar as eleições autárquicas que se avizinham. “É preciso devolver Braga aos Bracarenses” foi uma das frases mais ouvidas durante esta iniciativa, com diversos autarcas a expressarem o seu total apoio e confiança na vitória de Ricardo Rio na corrida para a Presidência da Câmara Municipal de Braga. 

“Temos um longo caminho a percorrer até às eleições. Conto com o empenho e o esforço de todos para que, no final desta caminhada, possamos vencer e colocar Braga no rumo do progresso e da inovação”, afirmou Ricardo Rio, que chamou a atenção para as “inúmeras” dificuldades que irão surgir durante o percurso: “Não haja ilusões, esta será uma luta árdua, e só com muito trabalho e determinação poderemos vencer uma gestão socialista que já esgotou o seu prazo de validade mas que deseja perpetuar-se no poder, em prejuízo dos interesses dos Bracarenses. Cabe-nos a nós, dia após dia, a responsabilidade de continuar a demonstrar que somos uma alternativa sólida, dinâmica e moderna, capaz de conduzir a uma muito melhor gestão de Braga e das freguesias do concelho”. 

Nesse sentido, os autarcas presentes na reunião salientaram a necessidade de mudança que sentem nas suas freguesias, que não querem “mais do mesmo”. “É bem evidente o desejo de mudança que existe nas pessoas. Este executivo socialista não está a responder minimamente aos interesses dos cidadãos, tendo seguido uma política despesista e irresponsável que tem trazido imensos prejuízos à cidade. Ricardo Rio fará muito melhor do que foi feito até hoje pelo município e pelos Bracarenses”, afirmaram, garantido que, dentro das suas responsabilidades, tudo farão para que Rio seja o próximo Presidente da Câmara de Braga. 

Esta reunião, onde estiveram praticamente todos os Presidentes de Junta de Freguesia eleitos pelo “Juntos Por Braga”, foi também uma óptima oportunidade para todos os autarcas trocarem impressões e experiências relativamente ao trabalho que tem vindo a ser desenvolvido em cada freguesia. 

“Estas iniciativas são extremamente importantes, porque permitem uma troca de experiências muito enriquecedora para os presentes, que levam as boas práticas realizadas noutras zonas para as suas freguesias e podem ir mais facilmente ao encontro das pretensões dos cidadãos”, afirmou Ricardo Rio, líder do “Juntos Por Braga”. 

A terminar, Ricardo Rio deixou aos autarcas presentes uma mensagem de confiança e agradecimento: “O trabalho que todos têm realizado em prol das vossas freguesias tem sido inexcedível e merecedor de todos os elogios. Esse é um mérito que os Bracarenses reconhecem ao ´Juntos Por Braga´, e as freguesias que lideramos já estão a sentir os ventos de mudança. Estou certo de que, se trabalharmos em conjunto, teremos uma grande vitória nas próximas eleições autárquicas“.

Braga de lés-a-lés - São Victor

No Comments »


Na semana passada lançamos um desafio: até às eleições vamos percorrer todas as freguesias e perguntar-vos as prioridades para cada uma delas nos próximos quatro anos. A primeira foi São Victor, que obteve algumas reacções interessantes. Amanhã iremos lançar um novo desafio sobre outra freguesia. Entretanto, deixamos aqui os contributos que recebemos para São Victor. 

Pedro Borges de Macedo São Victor deveria pensar em tentar regenerar as zonas da Rua Nova de Santa Cruz, Rua de D Pedro V, Rua de S. Domingos pois tem muitos edifícios num estado de degradação avançado. A Fábrica Confiança é um desses edifícios. Acho também que falta pensar no embelezamento das zonas habitacionais mais recentes da freguesia, dotando-a de passeios agradáveis e funcionais, esculturas modernistas e recantos verdes mais bem tratados. No entanto, devo dizer que o Presidente cessante fez no global um excelente trabalho à frente da maior freguesia do Concelho e muitas vezes sem o apoio merecido do Edil Municipal... 

Vítor Gonçalves Criação de uma entrada exclusivamente pedonal para o Novo Hospital, através do diálogo com a administração do hospital, a Este (potenciava muito esta zona), em conjunto com melhoria das acessibilidades à zona em questão (esta melhoria já se encontra em fase de "pré-execução"). Zelar pela preservação das Sete Fontes. Sentido único (descendente) na rua Quinta da Armada, no troço dentro do Bairro da Alegria. Corredor Bus na rua Nova de Santa Cruz e semaforização inteligente (alternância entre circulação de autocarros num sentido e autocarros e carros no outro) na rua D. Pedro V. Aqui estão algumas medidas que, não exigindo um avultado investimento económico, resolveriam alguns problemas e contribuiriam para o desenvolvimento da freguesia de São Vitor. 

Rui Feio de Azevedo A ligação da Rua D. Pedro V à Rua Nova de Santa Cruz é absolutamente essencial. Com esta ligação permitir-se-á abraçar a vasta população académica do campus de Gualtar da UM com todas as vantagens que se conhecem. Outro grande desiderato que os são victorianos, e Firmino Marques mais do que ninguém, pretendem ver alcançado é a recuperação das Sete Fontes e a salvaguarda do espaço verde adjacente. Se S. Victor vir concretizado este grande projecto afirmar-se-á com toda a certeza no panorama turístico local, regional e nacional, uma vez que será possível a fruição de um espaço monumental e de um parque verde na cidade de grande dimensão. 

Sameiro Maria Implementação de processos de Agenda 21 Local nas Freguesias, para potenciar políticas de proximidade, uma vez que, os líderes eleitos pela população, trabalham em parceria com os vários sectores da comunidade (cidadãos, organizações locais e empresas privadas) na elaboração de um Plano de Acção, por forma a implementar a sustentabilidade ao nível local. 

"TUB têm de servir as necessidades de transporte de toda a população"

No Comments »


Ricardo Rio e vários vereadores da coligação “Juntos Por Braga” visitaram os Transportes Urbanos de Braga (TUB), tendo sido acompanhados por Carlos Malainho, Presidente do conselho de administração dos TUB. De acordo com Ricardo Rio, esta foi uma excelente oportunidade para conhecer de “fio-a-pavio” as instalações da empresa e discutir as várias questões que contendem com a sua gestão. Rio mostrou-se preocupado com a sustentabilidade económico-financeira dos TUB. “Antes de mais, é fundamental garantir esse aspeto, porque só se isso estiver assegurado é que poderemos continuar a prestar um serviço de qualidade, a melhorar o desempenho, a recompensar os trabalhadores e a garantir o funcionamento desta empresa nos moldes atuais”, destacou.

Por outro lado, o candidato à presidência da Câmara de Braga salientou que é fundamental que a empresa continue a prestar um serviço público aos cidadãos, servindo toda a população do concelho nas suas necessidades de acesso ao trabalho ou deslocação para o centro da cidade. “Esse é um serviço que tem de ser prestado da forma mais cabal possível e, neste aspeto concreto, alertamos a empresa para as consequências que a presente reestruturação da rede tem provocado, dando eco dos muitos problemas que nos chegaram de diversas freguesias”, afirmou.

No entanto, o líder do “Juntos Por Braga” mostrou-se satisfeito com a abertura demonstrada pela administração para introduzir correções e melhoramentos nas opções que têm vindo a ser tomadas, de acordo com as reivindicações que sejam feitas por parte dos populares e que sejam encaminhadas para a administração.

“Todos temos a obrigação de lutar para termos o melhor serviço possível em temos de transportes públicos. Portanto fica aqui um apelo: quem se sentir lesado com a reestruturação e sinta que não tem um serviço compatível com as suas necessidades, faça chegar essa reivindicação á administração dos TUB”, disse Rio.

Falta de planeamento urbanístico é obstáculo para os TUB

As dificuldades de acessibilidades e a falta de planeamento urbanístico da cidade também foram alvo de críticas por parte de Ricardo Rio, que considerou que estes são fatores que condicionam de forma inequívoca o serviço de transportes públicos. “Não é possível pensar os transportes sem pensar primeiro nessas questões. Braga cresceu de forma muito pouco amigável para os transportes públicos, o que condicionou muito as soluções que poderiam ser introduzidas do ponto de vista da mobilidade dos cidadãos”, enfatizou, sublinhando que é preciso combater essa realidade e melhorar, na medida, do possível essa situação: “Para isso, defendemos que sejam introduzidas novas formas de transporte no centro pedonal da cidade, que seja reforçada a aposta nas ciclovias e na utilização das bicicletas e que os transportes aumentam a sua eficiência, quer em termos de frequência de oferta de circulação, quer em termos de diversidade e cumprimento de horários”.

Esse foi um fator que mereceu a concordância de Carlos Malainho, que deixou um lamento pelas dificuldades provocadas pela inexistência de um planeamento urbanístico eficaz. ”Muitos dos problemas que surgem têm por base o planeamento da cidade. É extremamente complicado para nós encontrar soluções que sejam ao mesmo tempo eficazes e respeitadoras do princípio da rentabilização dos recursos”, afirmou.

Finalmente, durante a reunião foi também debatida a relação dos TUB com o poder central. Neste aspeto, Rio mostrou-se apreensivo com a “discriminação histórica” dos TUB relativamente às outras transportadoras de Lisboa e Porto. “Tanto Braga como as outras cidades do país merecem o mesmo tipo de investimento e o mesmo tipo de apoio que as transportadoras de Lisboa e Porto usufruem, e que acabam por favorecer diretamente os cidadãos, que dispõem de frotas renovadas e de condições de tarifários mais compatíveis”, concluiu.

Eu, Presidente - Centro Histórico de Braga

No Comments »


O Centro Histórico de Braga é, inegavelmente, uma das mais valias da cidade, e uma das áreas que vai merecer mais atenção de uma gestão camarária liderada por Ricardo Rio. Infelizmente, nos últimos anos perdeu vida e animação, e ao mesmo tempo, uma boa parte do seu património foi delapidado através de intervenções pouco rigorosas e adequadas. Nas últimas semanas, em virtude da questão dos parcómetros e da alteração efectuada nos TUB, o tema da desertificação do Centro Histórico de Braga tem sido tema de discussão na cidade e também nesta plataforma. Aproveitando que esta semana assinala-se em Portugal o Dia Nacional dos Centros Históricos, pretendemos receber contributos sobre este tema tão relevante para o futuro de Braga.

Se fosse Presidente da CM de Braga, que medidas proporia para revitalizar o Centro Histórico de Braga, potenciando-o como uma mais valia turística e patrimonial do concelho? Como proteger o património e devolver a animação que outras cidades, muitas delas com menor riqueza patrimonial e histórica, exibem? Como revitalizar o comércio local e trazer mais gente para o centro da cidade? Deixe-nos a sua opinião e ajude-nos a apresentar aos Bracarenses um programa verdadeiramente regenerador para Braga.

Tu, Presidente - Transportes Públicos

Ler mais » | No Comments »



Mais uma rúbrica "Eu, Presidente", desta vez dedicada aos Transportes Públicos de Braga, e mais uma ronda de respostas no Facebook, onde se incluem algumas bem interessantes. O esforço desta candidatura permanece idêntico: ouvir e receber contributos válidos para poderem ajudarem-nos a apresentar o melhor programa para a gestão do concelho de Braga nos próximos anos. Aqui ficam os contributos que recebemos. 

Ricardo Jorge Freitas É um tema bastante mais complexo do que se pensa! Primeiro porque é preciso fazer com que os Transportes Públicos sejam atrativos do ponto de vista prático e do preço. Em Braga é extremamente caro andar de autocarro e não tem muitas vantagens se comparado com o automóvel. Este ultimo, em Braga, tem sempre a prioridade quando se projecta o tráfego automóvel. Que tal um plano que dê prioridade aos pedestres, aos ciclistas, aos Transportes Públicos? Conheço um excelente exemplo que é Barcelona. Vivi lá nos últimos 5 anos e pegar no carro era algo que só fazia ao fim-de-semana para passear. 

Rui Feio de Azevedo Para além de terem sido sempre a grande bandeira eleitoral do PS em Braga, - sendo inclusivamente usados para acções de campanha - a verdade é que os TUB permitiram sobretudo dar qualidade de vida aos cidadãos das freguesias rurais que trabalham no eixo urbano e fazem a sua vida diária no centro. Eu diria que os TUB, até ao momento, só cumpriram os objectivos de mobilidade entre a cidade e as freguesias urbanas, contribuindo inclusivamente para a fixação saudável de população nessas freguesias localizadas fora do perímetro urbano. Se eu fosse presidente da Câmara de Braga, para além de manter e reforçar essa estratégia - que agora parece ser quebrada com a redução de autocarros e de linhas - , tudo faria para massificar o uso dos TUB também no eixo urbano, criando mais faixas BUS pela cidade e promovendo a aquisição de veículos eléctricos destinados especificamente à zona pedonal, com imposição do limite de velocidade de 10 Kms/h e a garantia das condições totais de segurança. À imagem do comboio da ACB que faz as delícias das crianças na altura do Natal, penso que seria possível estudar-se uma forma de levar transporte ao miolo urbano, de forma a também poder dinamizar-se o comércio tradicional. Poderia pensar-se, por exemplo, numa ligação da Senhora-a-Branca até ao Arco da Porta Nova e outra até ao Campo da Vinha, via Rua dos Capelistas. Por outro lado, e comungando a opinião já formulada por um cidadão, avaliaria a hipótese de fixar preços dos bilhetes mais apelativos que estimulassem o seu uso. É que, num autocarro de 52 lugares, valerá mais a pena ter uma média de 45 utentes por autocarro a 1,10 euros, do que 15 a 1,60 euros... Em conclusão, e dado que todas as grandes cidades europeias dispõem de transportes eficazes e seguros nos centros urbanos, não se percebe porque é que Braga ainda não encontrou uma fórmula de sucesso nesta área! 

Francisco Grilo O problema dos TUB é sobretudo da gestão horária, dos arruamentos e dos comportamentos dos utentes, estacionamentos, falta de linhas rápidas na malha urbana, circuitos demasiado longos e tortuosos e, sobretudo, da configuração da cidade e da forma como os autocarros têm de contornar o problema do eixo sul/norte, na Avenida 31 de Janeiro, que obriga todas as linhas de maior procura, entre a Estação e Gualtar, a ter de utilizar os eixos da Rua 25 de Abril, Largo da Senhora A Branca, Rua D. Pedro V, Rua de S. Victor e Rua Nova de Santa Cruz. A acessibilidade pelos TUB em Braga, resulta em quebras horárias demasiado longas, que não são compensadas por reforço ou linhas alternativas. Os horários e a diversidade de alternativas, não permite uma utilização continuada ou então exige uma grande paciência e, na maioria das vezes, compensa mais ir a pé!...

ler mais

Ricardo Rio visitou Clube de Golfe de Braga

No Comments »


Golfe é argumento turístico a aproveitar 

Na ocasião em que Portugal celebrou o Dia do Golfe, Ricardo Rio assinalou a data com uma visita ao Clube de Golfe de Braga, que se localiza em Palmeira, participando no “Open Day” que este clube promoveu no seu Driving range nesta Freguesia de Braga. Manuel Filipe Lopes, Paulo Pimenta e Carlos Peixoto da Direcção do Clube e João Russel, Presidente da Junta de Freguesia da Palmeira, acompanharam a Delegação “Juntos por Braga” durante a iniciativa. 

Ricardo Rio salientou que esta foi uma oportunidade para conhecer de forma mais detalhada as preocupações da Direção do clube relativamente à evolução deste desporto no concelho. “Assumimos a nossa vontade de colaborar com o Clube de Golfe, no sentido de dotarmos a cidade de Braga de infra-estruturas para a prática deste desporto que possam funcionar como um elemento complementar à oferta turística já existente no concelho”, afirmou. 

O Clube de Golfe de Braga não dispõe de campo para a prática de modalidade, servindo apenas como clube formador de golfistas. “Os jogadores que formamos nas nossas instalações são obrigados a migrar para outros clubes de forma a darem seguimento ao seu crescimento, dada a inexistência de um campo no concelho”, lamentou Manuel Lopes, garantindo que o campo serviria como pólo para ligar as pessoas à cidade e ao próprio clube: “Essa é a nossa principal ambição e um objetivo pelo qual temos vindo a lutar e a fazer todos os esforços. Acreditamos que, a médio-prazo, o campo de golfe seja uma realidade”. 

Manuel Lopes enfatizou que, apesar das dificuldades económicas com que vivem, o Clube de Golfe de Braga é considerado um dos dez melhores clubes sem campo do país, tendo um número significativo de sócios residentes que levam a que seja possível “produzir” obra. “Em 2009, concluímos que era importante refrescar a cara a este espaço e fizemos obras de requalificação. Criamos estruturas próprias para o treino e, hoje em dia, podemos orgulhar-nos de ter tudo o que é necessário para se aprender a praticar a modalidade”, declarou, sublinhando que este tem sido um dos melhores cartões-de-visita do clube na cidade e no exterior: “Estas obras permitiram-nos atrair mais pessoas e fazer com que o golfe na nossa região tenha condições para singrar e ter pessoas à altura de competir a nível nacional e internacional”. 

Também Ricardo Rio se mostrou empenhado em colaborar no esforço que tem vindo a ser desenvolvido pelo Clube de Golfe para democratizar a prática do desporto em Braga. “Para isso ser conseguido, é necessária uma articulação da modalidade com o desporto escolar, desenvolver um conjunto de iniciativas de abertura à população com a colaboração da Autarquia e sobretudo a qualificação das infra-estruturas que são insuficientes para as necessidades dos muitos praticantes desta modalidade no nosso concelho”, disse. 

Por seu turno, Manuel Lopes assinalou a “extrema importância” de se estabelecer parcerias com as escolas. “Só apostando nos jovens é que teremos sucesso na divulgação da modalidade. Atualmente, temos um núcleo constituído que integra vários professores de educação física, e através desse núcleo queremos chegar às escolas e implementar o golfe como uma modalidade extracurricular. Da nossa parte, temos todo o interesse no desenvolvimento destas parcerias e estamos sempre recetivos a projeto nesse sentido que nos sejam apresentados”, reforçou.

Acessos necessitam de melhoramentos
A fraca qualidade dos acessos para o Clube de Golfe foi outro dos assuntos discutidos durante a visita. De acordo com Manuel Lopes, a dificuldade das pessoas em aceder ao clube prejudica imenso o seu funcionamento. “É urgente um melhoramento destes acessos, que afastam muita gente de visitar e frequentar as nossas instalações” assegurou. 

Ricardo Rio reconheceu o esforço que a Junta de Freguesia de Palmeira tem feito com o intuito de resolver esta situação, mas exigiu uma intervenção rápida da Câmara Municipal. “Apesar destes acessos terem vindo a ser paulatinamente melhorados pela Junta de Freguesia, a Câmara Municipal tem-se demitido de qualificar uma zona que acaba por ser um espaço de visita no concelho, o que é claramente uma estratégia errada do ponto de vista das opções municipais”, criticou. 

Conselho Estratégico Municipal para Braga

No Comments »


Sabia que… 


Em Março de 2010 a coligação “Juntos Por Braga”, através do Prof. Carlos Bernardo, apresentou na Assembleia Municipal uma proposta de criação do Conselho Estratégico Municipal? Entre os vários objectivos propostos, considerava-se que seria uma “"um organismo capaz de pensar o futuro de Braga, prever a sua evolução e propor projectos e políticas estratégicas"”, apontando caminhos para o futuro a médio e longo prazo do concelho de Braga? O que fez o PS e a maioria no executivo no seguimento desta proposta? Nada, como quase sempre sucede quando não observam ganhos eleitorais imediatos. 

A proposta da criação do Conselho Estratégico Municipal previa um organismo capaz de pensar o futuro de Braga, prever a sua evolução e propor projectos e políticas estratégicas. Tal Conselho Estratégico teria como missão, o “estudo de problemas relacionados com as atribuições próprias da autarquia”, designadamente os seus planos de desenvolvimento económico a médio e longo prazo, a sua política de fixação de investimento externo e, sobretudo, a promoção dos seus bens e serviços em mercados externos. De facto, o modelo de crescimento de Braga baseado na expansão urbana esgotou-se, e a sua capacidade de crescimento endógeno chegou ao limite. Por isso, seria necessário repensar o perfil de especialização da sua oferta, orientando-a essencialmente para a procura externa. Estas seriam missões essenciais do Conselho Estratégico. Contudo, o Conselho teria também a missão de pensar em projectos que respondam a desafios críticos que só podem ser resolvidos a nível supra-municipal, e que por isso exigem coordenação com outras autarquias, como seja o da mobilidade. Teria também a missão de apresentar os seus estudos e propostas à Assembleia que os apreciaria e, se os aprovasse, passá-los-ia à vereação para eventual implementação. 

Esta proposta da coligação “Juntos Por Braga”, previa uma composição suprapartidária, com representantes de todos os partidos mas também personalidades da sociedade civil, pessoas com experiência de desenvolvimento regional e de prospectiva, dominando bem os indicadores que caracterizam a região e o país. Foi mais uma oportunidade perdida para o desenvolvimento estratégico de Braga.

Tomada de Posse da Juventude Popular de Braga

No Comments »

Cerimónia de tomada de posse da Comissão Política Concelhia da Juventude Popular de Braga, que reconduziu Francisco Mota como líder, com excerto da intervenção de Ricardo Rio.

Ricardo Rio quer continuar a “dar asas às Andorinhas”

Ler mais » | No Comments »



Incluído num conjunto de contactos de auscultação dos diversos agentes que atuam na área social, Ricardo Rio reuniu com a Associação de Moradores do Bairro das Andorinhas, localizado na freguesia de São Vicente. Esta foi uma iniciativa que permitiu ao líder do “Juntos Por Braga” perceber a realidade que se vive na zona e os principais problemas com que os moradores têm de lidar no seu dia-a-dia. 

O candidato à presidência da Câmara Municipal de Braga mostrou-se muito satisfeito com a evolução que o Bairro das Andorinhas tem registado, muito por força do trabalho de “dedicação inexcedível” que tem sido desenvolvido pela Associação de Moradores. “Esta visita permitiu-nos confirmar a perceção que já tínhamos de que este é um Bairro que tem tido, ao longo dos últimos anos, uma evolução exemplar e onde os problemas existentes são residuais”, sublinhou, garantindo que a Associação de Moradores - reativada há dez anos após um período de inatividade - é um verdadeiro aliado da Autarquia no acompanhamento da realidade local: “Com as múltiplas iniciativas que levam a cabo, sejam elas de carácter social, lúdico ou de apoio solidário, contribuem para que a qualidade de vida no bairro, em todos os domínios, seja crescente”. 

Rio enfatizou que hoje se pode “respirar tranquilidade e conforto” no Bairro das Andorinhas. “É, de facto, um bairro acolhedor e que serve de exemplo para outras zonas mais sensíveis do nosso território. O trabalho levado a cabo pela Associação de Moradores merece todo o carinho por parte da autarquia e, mais do que isso, todo o estímulo para ser replicado noutros locais também”, afirmou. 

Flávio Vieira, Presidente da Associação de Moradores, fez um balanço “extremamente positivo” do que têm sido estes dez anos de trabalho da Associação. “Combatemos o mau ambiente que existia no Bairro, conseguimos melhorar os espaços verdes, cortar o trânsito no interior do Bairro e impor novos hábitos para os habitantes”, destacou. Para Flávio Vieira, o panorama do Bairro não pode ser comparado com o que era no passado: “Em comparação, é evidente que o Bairro melhorou imenso, quer em termos físicos, com a renovação dos exteriores das habitações e dos espaços verdes, quer em termos do próprio ambiente e convivência entre moradores, que é agora muito mais harmonioso e baseado no respeito mútuo”.

O Presidente da Associação de Moradores afirmou ser importante lutar contra o preconceito que ainda persiste relativamente ao Bairro e que não tem qualquer adesão à realidade. “Ao contrário do que muitas pessoas pensam, esta é uma zona segura e onde se vive bem. Da nossa parte, fica o convite a todos os interessados para nos visitarem, tal como o Dr. Ricardo Rio está a fazer, e constatarem por si próprios que os preconceitos não têm qualquer fundamento”, garantiu.

CSI Braga - Cidade Sob Investigação

No Comments »


CSI Braga - Cidade Sob Investigação pretende ser um evento de promoção do património bracarense e de consciencialização para a necessidade da sua preservação e valorização. Colocando o património da cidade de Braga sob investigação por parte de um conjunto de investigadores – os cidadãos – esta iniciativa põe os bracarenses a desvendar pormenores que fazem parte da história da cidade, contribuindo para que descubram as suas próprias raízes.


Visita à Edigma

No Comments »

Braga tem condições para ser uma referência mundial a nível tecnológico

No seguimento de um ciclo de contactos com diversos agentes económicos do concelho, que têm como principal objetivo promover um clima de diálogo e proximidade com os mesmos, Ricardo Rio visitou a Edigma, uma empresa tecnológica que se dedica ao desenvolvimento de soluções e projetos interativos baseados em multitoque e reconhecimento gestual. Durante esta visita, o líder do “Juntos Por Braga” foi acompanhado por Miguel Fonseca e Miguel Oliveira, administradores da empresa. 

De acordo com Ricardo Rio, a Edigma é um excelente exemplo de uma empresa inovadora e que está na vanguarda do desenvolvimento tecnológico de Braga. “Este é um sector no qual tem de fazer uma aposta consistente e estrutural, promovendo uma ligação mais estreita entre a Universidade do Minho, os agentes empresariais e o próprio INL”, afirmou, salientando que é fundamental que exista também um reforço do espírito de colaboração entre as várias empresas do sector e entre as próprias empresas e a autarquia, para que a marca Braga se possa afirmar no ainda mais no exterior. 

“Esta área tecnológica tem condições para ser um fator de diferenciação competitiva do nosso concelho e de promoção de um novo paradigma de desenvolvimento no exterior. Se formos capazes de captar novos investimentos, vamos também conseguir criar novas empresas e consequentemente mais postos de trabalho e diminuir o desemprego, que é uma das grandes prioridades que temos para o futuro do nosso concelho”, enfatizou o candidato à Presidência da Câmara de Braga. 

Também Miguel Fonseca partilhou da opinião de Ricardo Rio, considerando mesmo que Braga pode ser uma “referência mundial” em termos tecnológicos: “Braga tem a possibilidade de ser considerada cada vez mais uma cidade tecnológica, e cabe a nós e à autarquia a responsabilidade de transformar Braga nesse sentido”. 

Para o administrador da Edigma, Braga tem um potencial enorme que não está a ser minimamente aproveitado. “Temos um potencial que é real, que já existe, e que precisa apenas de ser explorado. Existem imensas empresas tecnológicas em Braga, que são cada vez melhores. Há que criar um ecossistema à volta deste sector”, sublinhou, garantindo que a criação de um parque tecnológico na cidade seria a melhor solução: “Dessa forma, seriam mais fáceis as relações entre as diversas empresas e daí resultariam mais sinergias e negócios. E mais negócios é sinonimo de mais emprego, mais know-how e mais riqueza para a comunidade local”. 

Segundo Miguel Fonseca, é necessário que se perceba rapidamente que a cidade só pode ser uma referência a nível mundial se existir esse espirito de cooperação. “Sozinhos, valemos pouco. Mas todos juntos, certamente que podemos estabelecer um ambiente propício para nos desenvolvermos e puxarmos uns pelos outros. É aí que a Câmara Municipal tem de assumir um papel de facilitador, criando as condições para que as empresas possam trabalhar em conjunto”, disse. 

Sucesso alcançado com pessoas da Universidade do Minho 

Por outro lado, dentro do espectro de atuação da empresa, Ricardo Rio notou que alguns produtos produzidos pela Edigma podem ser adaptados à própria utilização municipal. “Seja do ponto de vista concelhio, seja do ponto de vista dos serviços municipais, o aproveitamento desta tecnologia pode ser um excelente investimento a realizar no futuro próximo pela autarquia, tanto para aproximar os serviços da câmara dos cidadãos como para alargar o leque de informações que são disponibilizadas a todos aqueles que nos visitam”, acredita. 

Por fim, Miguel Fonseca mostrou orgulho no facto da empresa ter crescimentos anuais que estão à volta dos 50% e de empregar já cerca de 50 pessoas. “Temos um produto diferenciador, trabalhamos no mercado mundial e vendemos para cerca de 100 países. E isto consegue-se com pessoas de Braga, saídas da Universidade do Minho e com muita vontade de vencer no mercado mundial”, finalizou.

Braga de lés-a-lés: São Victor

No Comments »


Hoje lançamos aqui um novo desafio para aqueles que consideram mais interessante a gestão da proximidade face às questões do Município, percorrendo assim as diversas Freguesias do Concelho.
Tendo em conta que Firmino Marques cessará funções no próximo mês de Outubro, quais as prioridades que o próximo Presidente da Junta de Freguesia de São Victor deverá assumir? Que iniciativas deverá desenvolver?
 

Deixe aqui as suas respostas ou no Facebook.

Eu, Presidente

No Comments »


Quais as alterações que sugere na gestão dos TUB? Que tipo de serviços considera que funcionam bem e quais os que são disfuncionais e prejudicam as pessoas? O que faria se fosse Presidente da Câmara Municipal de Braga neste sector vital para milhares de Bracarenses?

Deixe-nos as suas sugestões e contribua para o projecto que estamos a construir para Braga, que se deseja um esforço colectivo na procura de um concelho mais bem gerido e ao serviço dos seus cidadãos. 

Partilhe, Divulgue, acima de tudo, deixe-nos a sua opinião!

Santuário do Bom Jesus

No Comments »


Sabia que...

Já em Julho de 2009, Ricardo Rio defendeu a existência de uma ampla parceria entre a Câmara Municipal de Braga e a Confraria do Bom de Jesus, com vista à prossecução de objectivos comuns na preservação do património natural e monumental, a melhoria de condições de fruição do Bom Jesus quer pelos Bracarenses, quer pelos milhares de turistas que o visitam e para a dinamização do espaço, com a organização de actividades lúdicas, culturais e desportivas. Mas infelizmente, passado quatro anos, pouco ou nada foi feito para aprofundar a relação entre estas duas instituições, no benefício do Bom Jesus, uma das imagens de Braga para o país e para o mundo. Ricardo Rio é também, desde o inicio, um entusiasta da candidatura do Santuário do Bom Jesus a Património da Humanidade. 

Essa posição surgiu em resposta ao repto lançado na época pelo Arcebispo Primaz de Braga, D. Jorge Ortiga, e pelo Cónego João Paulo Abreu, que aquando da apresentação de alguns projectos da Confraria, apelaram a um maior envolvimento dos Bracarenses no processo de requalificação do espaço eco-monumental, quer através do mecenato, quer através de um movimento social, que preserve a “mais célebre imagem turística de Braga”.

O líder da Coligação “Juntos por Braga” defendeu na época um maior envolvimento do executivo camarário na defesa e promoção do Bom Jesus de Braga. Segundo Ricardo Rio, o executivo poderia ser um parceiro na apresentação de candidaturas da Confraria, ou exercer a sua magistratura de influência junto dos Ministérios que tutelam estas  áreas.

O papel da Câmara Municipal seria também importante na sensibilização dos empresários da região, promovendo o mecenato de apoio ao esforço de recuperação do Bom Jesus.

Por outro lado, a Câmara teria todas as condições para, por exemplo, criar trilhos de manutenção ou de BTT na zona florestal, para promover iniciativas culturais  ou para criar um núcleo museológico em torno do singular parque infantil existente, apenas para citar alguns exemplos.

A resposta do executivo socialista foi dada mais tarde. Em visita do Eng.º Mesquita Machado ao local, o autarca assumiu a disponibilidade para colaborar com a Confraria, oferendo o que lhe “foi solicitado”: a pavimentação da zona de entrada do Bom Jesus, mediante a transferência da calçada da Rua da Infantaria nº8. Para o executivo socialista, com a sua falta de visão estratégica e uma manta curta de criatividade, o seu papel, no que ao Bom Jesus diz respeito, ficou comprido. E desde então, pouco ou nada se fez, da parte da autarquia, para valorizar este fantástico espaço da cidade, da região e do país. Espera-se que a UNESCO corresponda ao desejado por todos os Bracarenses e classifique o Santuário do Bom Jesus como Património da Humanidade, como realmente merece. 

Para Braga e para os Bracarenses, muito ficou por fazer...

Braga precisa, urgentemente, de um executivo diferente, que seja capaz de projectar Braga para o estatuto que merece... Braga como destino turístico de excelência, Braga como cidade que respeita e promove o seu património, Braga como uma cidade com vida e dinâmica...

Uma Braga de todos e para todos.. Por isso estamos, “Juntos por Braga”!!

Francisco Mota tomou posse como Presidente da Comissão Política Concelhia da JP de Braga

Ler mais » | No Comments »


“Bem-vindos à casa da melhor Juventude Partidária do CDS-PP no país, a JP de Braga”. Foi desta forma que Francisco Mota iniciou o seu discurso durante a cerimónia de tomada de posse da Comissão Política Concelhia da Juventude Popular de Braga, que se realizou na Quinta Abadia D`Este. Francisco Mota foi reconduzido como líder da JP de Braga e, nesta ocasião, fez questão de lembrar o prémio Adelino Amaro da Costa que a estrutura recebeu pela primeira vez no mês passado. “É uma distinção que nos enche de orgulho mas também de muita responsabilidade para o futuro. Trata-se de uma justa recompensa pelo trabalho incansável que toda esta equipa tem vindo a efetuar em prol da cidade”, garantiu. 

O líder da JP de Braga salientou que a estrutura está totalmente empenhada no apoio à candidatura de Ricardo Rio para a Presidência da Câmara Municipal de Braga. “Como sempre aconteceu, podes contar connosco para o que for preciso”, referiu, falando diretamente para o líder do “Juntos Por Braga”. “Sabemos que Ricardo Rio é o homem certo para voltar a colocar Braga no rumo do desenvolvimento e do progresso”, afirmou Francisco Mota, enfatizando que está convencido de que no próximo mês de Outubro a cidade vai iniciar a “onda de mudança” de que há muito está necessitada. 

Por seu turno, também Ricardo Rio destacou que o prémio conquistado pela JP de Braga é o reconhecimento de que valeu a pena todo o trabalho desenvolvido em benefício de Braga. “É o melhor testemunho do valor do trabalho que o Francisco Mota e toda a sua equipa estão a desenvolver em benefício de todos os Bracarenses”. 

Rio aproveitou a oportunidade para agradecer o valioso contributo da JP de Braga na concretização do projeto do “Juntos Por Braga”. “Ao longo destes anos em que lidero esta candidatura, tenho contado sempre uma enorme dedicação e entrega da JP neste projeto, e tem sido muito por força desse trabalho que conseguimos realizações que vão ao encontro das aspirações dos bracarenses”, afirmou. 

Para o candidato à Presidência da Câmara de Braga, é tempo de se olhar para o futuro e de se inverter o rumo que tem sido seguido na cidade - o que só poderá acontecer com uma vitória do “Juntos por Braga” nas próximas autárquicas. “A JP tem sido e será um aliado essencial nessa luta. É uma estrutura que tem acompanhado a realidade do concelho, sempre junto das instituições e dos cidadãos. E tem dado uma especial atenção às questões que mais diretamente dizem respeito aos jovens, como a inexistência do Conselho Municipal da Juventude ou o fracasso que constituiu a Capital Europeia da Juventude”, destacou. 

Tu, Presidente!

Ler mais » | No Comments »



Nesta última semana pedimos contributos sobre que tipo de apoios sociais deve prestar a Autarquia, nomeadamente quais os que deveriam ser garantidos pela Autarquia, que tipo de apoios deveriam ser dados directamente às famílias, ou às Instituições Particulares de Solidariedade Social. Mais uma vez recebemos respostas muito interessantes e pertinentes. 

As propostas que recebemos: 


 
Rui Milhão As desigualdades sociais e económicas constituem, indiscutivelmente, um dos principais desafios ao desenvolvimento e aos direitos humanos no nosso século, havendo uma consciencialização da necessidade de adequar e promover políticas inclusivas de combate à pobreza e à exclusão social. 

A Câmara Municipal de Braga, enquanto estrutura de poder local e por isso mais próxima dos cidadãos, tem que reconhecer o papel determinante da sociedade civil como mobilizadora de novas metodologias capazes de inverter os factores geradores de pobreza. O importante é, sem dúvida, a provisão social, incentivar processos de participação social, processos de inclusão e de respeito pela cidadania. 

A CMB tem que criar um novo modelo de inclusão social que aposte nas parcerias como meio para uma nova política social mais activa e atenta, tendo para isso que criar um Programa de Apoio à Acção Social, em obediência aos princípios de transparência, rigor e imparcialidade, composto por uma série de iniciativas. Seria fundamental que este Programa tivesse um: - Gabinete de Acção Social, que centra-se o seu trabalho na prestação de todo o tipo de apoios necessários para a reversão da situação de carência sócio-económica, habitacional, e de saúde, no sentido da promoção da qualidade de vida das famílias/pessoas que a ele recorrem. - Gabinete de Intervenção Psicológica, a vulnerabilidade em que os agregados familiares se poderão encontrar face a situações diversas, decorrentes da gestão diária das suas vivências familiares, de emprego, de saúde, habitacionais e sócio-económicas, podem conduzir a fragilidades em termos cognitivos, perante as quais impera uma adequada intervenção. Em suma, através da dinâmica deste gabinete, seriam criadas estratégias para a alteração de condutas/perspectivas da pessoa com a qual se está a intervir, de forma a promover o seu bem-estar psicológico e, consequentemente, o bem-estar de quem a rodeia.

Ainda no âmbito deste Programa de Apoio à Acção Social a CMB deveria apostar numa série de iniciativas ou sub-programas tais como: - Braga Ajuda Amiga - que teria como principais objetivos a satisfação das necessidades básicas das famílias, em situação de grave carência económica (nomeadamente a nível alimentar), a promoção de medidas de inclusão social destas famílias, através da articulação dos recursos locais, de forma a agilizar e qualificar novas respostas sociais. - Criar um Banco Local de Voluntariado. - Criação do Espaço Braga Família: O aumento flagrante de vítimas de violência doméstica, leva a uma maior consciencialização da necessidade de intervenção nesta área. Paralelamente, as consequências nefastas inerentes a esta temática, implicam que se desencadeiem acções ao nível do Município, no que se refere a medidas de prevenção primária, secundária e terciária. 

Neste contexto, implementar o Espaço “Braga Família”, nos Serviços de Acção Social da Câmara, através do qual técnicos trabalhassem no sentido da promoção da protecção das vítimas que a ele recorram, exercendo as suas funções sempre em estreita articulação com os diversos serviços responsáveis no âmbito da erradicação da situação de violência doméstica, seria uma enorme mais valia na Acção Social. - Criação do "clube Braga Idade Sénior", através do qual promovem-se, ciclicamente, actividades de lazer de carácter recreativo e cultural, no sentido de proporcionar momentos de bem-estar e melhoria da qualidade de vida dos menos jovens aderentes, possibilitando-lhes um dia diferente, mais dinâmico e aprazível.





Rui Feio de Azevedo A concessão de apoios do foro social às famílias e às IPSS's depende obviamente da disponibilidade financeira da autarquia, pelo que, em primeira instância, preocupar-me-ia em garantir um fundo considerável destinado ao efeito, com a contribuição das empresas e dos mecenas da região. Depois, essas preocupações iriam centrar-se na satisfação das necessidades básicas das famílias carenciadas, de modo a poder garantir-se, entre outros objectivos, habitação social e o acesso à educação dos jovens carenciados com o apoio da autarquia. Esse papel de intervenção social poderia também ser dividido com as IPSS's, fruto de acordos efectivos de cooperação com o Município bracarense.

Ordenamento do Território e Desenvolvimento das Cidades em debate

No Comments »



Afirmação do poder local é fundamental para o crescimento sustentável das regiões 


Ricardo Rio, líder do “Juntos Por Braga”, e Assunção Cristas, Vice-Presidente do CDS-PP, foram os oradores numa conferência subordinada ao tema “Ordenamento do Território/Desenvolvimento das Cidades”. A iniciativa realizou-se no Hotel Mercure - cujo auditório encheu por completo - e teve uma participação muito ativa do público, que ao longo da sessão levantou várias questões aos oradores. Assunção Cristas aproveitou ainda a visita a Braga para subscrever a candidatura de inscrição do Bom Jesus do Monte na Lista de Património Mundial.

Durante a sua intervenção, Ricardo Rio enfatizou que, nas atuais circunstâncias, é fundamental que exista uma afirmação crescente de um poder local “dinâmico” e capaz de concretizar os “anseios” dos cidadãos. “As dificuldades de gestão da administração central fazem com que a tendência natural seja o reforço da capacitação e das competências do poder local, com um maior equilíbrio na distribuição de recursos entre o que é gerido centralmente e localmente”, afirmou. 

Para o candidato à Presidência da Câmara Municipal de Braga, prevalece ainda uma lógica de centralização nas decisões e na atribuição de recursos em termos de investimentos que tem de ser rapidamente corrigida. “Essa é uma realidade que necessita de ser alterada, sob pena de se colocar em causa a capacidade de intervenção de cada uma das cidades e até o potencial de desenvolvimento de todo o território”, alertou, salientando que a lei das finanças locais não é capaz de estimular a “capacidade empreendedora e o espirito de iniciativa” das autarquias locais, de as “responsabilizar pela positiva” e também de permitir que não sejam tão dependentes de “estratégias erróneas” do ponto de vista do desenvolvimento local. 

Nesse mesmo sentido, Assunção Cristas notou que é importante ter-se bem presente a ideia de que o desenvolvimento “tem de nascer da base para o topo e não o contrário”. “É verdade que somos nós que temos as ferramentas legislativas e financeiras, mas estas têm de ser suficientemente desenhadas para irem ao encontro de uma amplitude diferente de situações, para um território que é diverso e muito diferente. Só dessa forma é que faz sentido o investimento e este se torna produtivo”. 

A Vice-Presidente do CDS-PP salientou que as redes e as parcerias que se estabelecem nas diversas regiões do país têm uma geometria necessariamente variável e que não cabe ao governo impor um modelo ou dizer como os fundos devem ser aplicados. “Queremos que as várias regiões tenham a liberdade para se organizarem da forma como melhor entenderem. O mais importante é deixarmos que as oportunidades sejam aproveitadas pelas diferentes zonas do país”, referiu, notando que quando os autarcas lhe perguntam o que pode fazer por uma qualquer zona do país, a sua resposta é invariavelmente a mesma: “Faremos aquilo que vocês forem capazes de fazer”.

Assunção Cristas lamentou ainda que, no passado, os investimentos não tenham tido o critério desejável, com muito dinheiro a ser gasto em projetos incapazes de se tornarem uma “âncora reprodutivo” dessas mesmas verbas. “E os portugueses perguntam-se: que emprego sustentável esse investimento criou? Que riqueza fundada criou para as regiões e populações? Que pessoas conseguiu atrair? A sensação que fica é que alguma coisa terá falhado, porque o investimento foi grande e o crescimento que esse investimento poderia potenciar nunca chegou a acontecer”, assegurou, garantindo que os erros do passado nãose podem repetir e que este é o momento para se fazer melhor e diferente. 


Estímulo da atividade económica é “prioridade das prioridades 

O líder do “Juntos Por Braga” expressou também o desejo de tornar a cidade mais competitiva e de apostar no estímulo da atividade económica, que considerou a “prioridade das prioridades”. “Seja por uma questão de geração e aproveitamento de recursos, seja pelo combate ao desemprego – que é um enorme flagelo social -, seja pela capacidade de fixação das populações e atratividade desses mesmos recursos, é essencial que Braga possa ser competitiva do ponto de vista económico”, garantiu, salientando que para atingir esse desígnio é fundamental uma ligação mais forte com a Universidade e com as associações empresariais e comerciais, assim como um reforço do investimento em termos de espaços de incubação de empresas e de captação de investimentos. 

Por fim, Rio chamou a atenção para o facto de Braga necessitar urgentemente de um conjunto de estratégias de crescimento que valorizem os seus focos de competitividade - e que nunca teve durante os anos de governação do executivo socialista da câmara. “Está na altura de recomeçar. A cidade cresceu sem saber para onde ia e sem saber como se poderia tornar mais rica, aproveitando os recursos que ia gerando. Temos de começar por definir uma visão da governação municipal a longo prazo e com objetivos claros e mensuráveis”, afirmou, criticando o facto de a autarquia continuar a esbanjar recursos de forma irresponsável e muito pouco rigorosa: “Não se pode gastar oito milhões de euros numa piscina olímpica que não sai da estrutura e que não serve absolutamente ninguém, ao mesmo tempo que se deixa fugir uma valência capaz de atrair enorme riqueza turística como era a Bracalândia. Isto releva o desnorte e a incapacidade da Câmara Municipal em gerir racionalmente os recursos que tem ao seu dispor”.

Apoios ao sector cultural e financiamento do GNRation

No Comments »


Em conferência de imprensa, Ricardo Rio criticou a ausência de uma estratégia na atribuição de apoios para o sector cultural e lamentou a falta de abertura da Câmara Municipal em discutir o modelo de gestão do GNRation com os vários agentes.

Manuais Escolares para o 1º Ciclo do Ensino Básico

No Comments »

Sabia que...

Ricardo Rio e os Vereadores da coligação “Juntos Por Braga” apresentaram em Junho de 2011 uma proposta ao Executivo Municipal para generalizar a oferta dos Manuais Escolares a todos os alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico, a exemplo do que sucede noutros concelhos? A maioria socialista reprovou essa proposta, pois, segundo Mesquita Machado, a Câmara não deve ajudar os ricos. Por isso, se hoje não recebe os Manuais Escolares gratuitamente é porque é rico de acordo com os padrões do Partido Socialista de Braga. Este é um compromisso assumido por Ricardo Rio com os Bracarenses e que será cumprido caso seja eleito Presidente da Câmara.

Ricardo Rio defendeu na época que a distribuição gratuita dos Manuais Escolares do 1º Ciclo era (e será) um compromisso claro da Autarquia com esta área da Educação e um apoio relevante para muitos milhares de famílias de Bracarenses que têm que suportar este encargo no início de cada ano lectivo.

Mais a mais, considerando que esses auxílios económicos da Autarquia apenas cobrem hoje as famílias que têm acesso aos primeiros dois escalões do abono de família, será caso para perguntar se uma família com um rendimento anual superior a 6.000 Euros já não precisa deste tipo de apoio.

Recorde-se que esta é já uma prática generalizada em muitas Câmaras Municipais do País (como as nossas vizinhas Póvoa de Lanhoso, Vila Nova de Famalicão e Barcelos - onde foi adoptada pelo Executivo Socialista) e até por Juntas de Freguesia, como acontece em Crespos, Braga.

Em muitas dessas Autarquias, esses apoios são conjugados com a atribuição de Bolsas de Estudo aos diferentes graus de ensino (o que não acontece em Braga) e com a disponibilização de outros materiais, como os hoje bastante disseminados "Manuais digitais" (pen drives com os livros e fichas de actividades para desenvolver na sala de aula ou em casa).

Sobre este aspecto, foi elucidativa a resposta do Presidente da Câmara e da Vereadora da Educação quanto à recusa de oferta desses Manuais Digitais: "- Em Braga não faz sentido porque não dispomos de quadros interactivos..."

Eu, Presidente

No Comments »


Esta semana debruçamo-nos sobre que tipo de apoios sociais deve prestar a autarquia. O país vive uma situação de emergência nacional e, infelizmente, são muitos os que passam por graves problemas de ordem financeira. As autarquias não podem resolver o problema por si, mas podem contribuir imenso para o atenuar, ajudando as famílias e as pessoas que mais precisam.

Se fosse Presidente da CM de Braga, quais os apoios sociais que considera que deveriam ser garantidos pela Autarquia? Que tipo de apoios deveriam ser dados directamente às famílias, ou às Instituições Particulares de Solidariedade Social? 

Deixe-nos a sua opinião na página de Facebook ou aqui. Participe! Divulgue!

Braga necessita de uma revolução em termos de estratégia turística

No Comments »


A Juventude Social-democrata e a Juventude Popular, sob a égide do “Juntos Por Braga”, realizaram uma Conferência subordinada ao tema “Oportunidades de desenvolvimento turístico para Braga”.

O debate realizou-se no auditório do Hotel S. Vicente - que encheu por completo - e teve como oradores Ricardo Rio, líder do “Juntos Por Braga”, Luís Ferreira, Especialista em Planeamento Estratégico em Turismo, Carmen Prado, ex- Secretária General para o Turismo da Xunta de Galicia, e Agostinho Peixoto, Presidente da Associação de Profissionais de Turismo de Portugal. 

Durante a sua intervenção, Ricardo Rio garantiu que, neste ciclo de conferências que os “Juntos Por Braga” têm vindo a organizar, viu confirmada a sua perceção de que Braga necessita de uma revolução em matéria de turismo. “Precisamos, acima de tudo, de uma verdadeira revolução na estratégia turística, que é praticamente inexistente. É fundamental termos a noção de que, enquanto mais-valia económica, o turismo é um fator essencial para o futuro de Braga”, afirmou. 

O líder do “Juntos Por Braga” lembrou que, na atual conjuntura económica, com a crescente dificuldade de criação de novos atrativos em termos de emprego e de fixação de recursos, o turismo tem todas as condições para ser uma grande mais-valia e até a principal solução em termos de desenvolvimento económico da nossa cidade. “Mas para que isso aconteça é preciso começar pelo princípio, o que implica dar condições de atratibilidade turística à cidade. Isso só acontece dando boas condições de qualidade de vida aos habitantes da cidade”, lembrou Rio, recordando que primeiro é crucial dar uma melhor Braga aos Bracarenses, para que aqueles que nos visitam sintam essa melhor cidade e a desejem visitar. 

O candidato à Presidência da Câmara de Braga afirmou que é preciso que a autarquia aposte em diversas áreas, como a qualificação ambiental, a dinamização cultural, a valorização e fruição do património ou a mobilidade e acessibilidade ao centro em termos de transporte. “O turismo é algo que é transversal a todas a políticas municipais. Braga tem de saber olhar para os seus recursos endógenos e temos múltiplos atrativos que dão um imenso valor turístico a Braga - a qualidade da gastronomia, o valor do nosso património monumental e da nossa história, a interação entre o mundo rural e o mundo urbano e toda a componente ligada ao turismo religioso ou até ao turismo de negócio de que agora tanto se fala”. 

Ricardo Rio enfatizou que é fundamental também que a cidade tenha uma estratégia que permita desenvolver atividades de animação, e nesse sentido lembrou um conjunto de eventos que são já fonte de atração turística. “A Semana Santa, o S. João ou a Rampa da Falperra são ótimos exemplos. Mas é preciso que, em conjunto com estas iniciativas pontuais, exista uma animação e atividade constante que seja capaz de atrair turistas ao centro da cidade”, realçou. 

Por fim, o autarca do “Juntos Por Braga” referiu a questão da promoção como fator crucial para o sucesso. “A Câmara Municipal tem tido uma atitude demissionária e incompetente na promoção turística no exterior. Os agentes políticos têm de ser os agentes facilitadores dessa mesma promoção e, dessa forma, agregar os agentes para promover as capacidades turísticas da cidade. Isso não está a acontecer atualmente”, criticou, terminando com um sinal de esperança para o futuro: “Isto só se resolve passando da inquietação à indignação, e da indignação à ação. Todos os que estão aqui presentes, e muitos outros Bracarenses que não se revêm nas políticas deste executivo, são os agentes de mudança que vão permitir alterar esta situação”. 


Ligação à Galiza é fundamental 

Carmen Prado, ex- Secretária General para o Turismo da Xunta de Galicia, falou da necessidade de colaboração entre Portugal, e em especial o Norte do país, e a Galiza, assim como das diversas áreas em que é possível concretizar essa parceria. “A cooperação e a valorização das nossas vantagens comuns e a procura de soluções criativas e inovadoras é o caminho para melhorar a conjuntura atual. O esforço partilhado sempre é mais fácil de suportar”, afirmou, salientado que Braga terá fieis aliados turísticos do outro lado da fronteira. 

Por seu turno, Luís Ferreira, Especialista em Planeamento Estratégico em Turismo, falou da importância da concretização dos planos estratégicos. “O plano estratégico é para ser implementado e não para ficar bem na prateleira do Gabinete do Presidente da Câmara. É importante ser consequente, e isso passo por perceber o impacto do turismo no destino”; afirmou, garantindo que, para que isso aconteça, é importante ter-se consciência das transformações, dinâmicas, prosperidade, iniciativas e impactos do turismo na comunidade local. 

Por fim, Agostinho Peixoto, Presidente da Associação de Profissionais de Turismo de Portugal, enfatizou a importância de se perceber o turismo de uma forma transversal. “Tudo é turismo, e é muito importante que este seja um conceito que esteja bem presente para os nossos políticos, Precisamos de uma cidade limpa e seguro, transitável, organizada, etc. Tudo isto é turismo e tudo isto conta”, realçou.  

Tu, Presidente

Ler mais » | 2 Comments »



Há uma semana convidámos os nossos seguidores no Facebook a assumir o cargo de Presidente da Câmara Municipal de Braga por um dia, dando a oportunidade de se apresentarem propostas para a promoção turístico do concelho.

Recebemos respostas muito interessantes e pertinentes, que certamente levaremos em conta na elaboração do nosso projecto para Braga. Também devido a esse objectivo, vamos colocar aqui semanalmente as respostas que formos recebendo. Amanhã será lançado outro tema para discussão.

Entretanto, ficam aqui as propostas que recebemos: 

Marina Lemos: Em relação às políticas actuais mudaria o presidente actual, era a maior ajuda que poderia dar a Braga e trocava-o pelo Ricardo Rio. Espero que num futuro próximo seja isso que venha a acontecer...Quanto ao resto, Braga em si precisa de mais atenção, e não mais cimento. 

Glória Ferreira: Promoveria mais Tibães, S. Frutuoso, Sete Fontes, Fonte do Ídolo e outras zonas emblemáticas da cidade. Promoveria mais a Semana Santa noutros países que não apenas os europeus e reavivaria as tradições Joaninas! 

Luís Sancho: na minha opinião, Braga deve capitalizar a sua história e a sua localização. O Turismo Religioso deve ser uma das grandes apostas, em íntima colaboração com a Arquidiocese, fazendo valer: 
1) a antiguidade da Igreja Bracarense; 
2) o enorme património religioso histórico edificado e não só (por exemplo, Braga tem um rito eucarístico próprio, algo quase único na igreja ocidental); 
3) o enorme património cultural da Arquidiocese, da Universidade do Minho, da Universidade Católica e da autarquia bracarense é imenso e deve ser conhecido e divulgado 
4) a localização quase a «meio-caminho» entre Santiago de Compostela (200Km) e Fátima (250Km), 
5) boas acessibilidades, a menos de 50Km dum dos principais aeroportos nacionais e a 30 Km do único Parque Nacional. 
Assim, algumas sugestões mais concretas, sem nenhuma ordem: 
- colaborar com a Confraria do Bom Jesus para declarar o Santuário como Património da Humanidade; pensar em algo semelhante para o Sameiro. 
- colaborar com a Arquidiocese na potenciação das solenidades da Semana Santa; 
- criar roteiros (em papel e/ou digitais) com percursos pedestres pelo centro e não só, com explicações mais ou menos elaboradas dos locais e sua história, em parceria com instituições credíveis 
- criar um serviço de «guias turísticos» voluntários ou ao abrigo de programas do IPJ que, nos tempos altos de turismo estejam em pontos estratégicos para explicar aos turistas (em tempos, existiu o "Scout Tourist Service" em Braga na Semana Santa e no Verão, organizado pelos Escuteiros de Braga) 
- mais "tabuletas" informativas em locais de interesse 
- construção dum percurso pedestre seguro (e não berma de estrada) entre os pontos do «Triângulo Turístico» 
- declaração de zona protegida do «Triângulo Turístico» o mais abrangente possível, impedindo novas construções na encosta Norte dos montes abrangidos. 
- investimento em publicidade nos mercados alvo (parcerias CMB-Arquidiocese-Associação Comercial - outros) 
- concursos de embelezamento das áreas centrais áreas comerciais e residenciais); 
- recriar, reavivar ou encenar cerimoniais e tradições que efetivamente fazem parte da história bracarenses; 
- incentivar congressos sobre a história de Braga em colaboração com a UM, a UCP e os museus bracarenses 
- rever a posição de Braga no Turismo de Viver Portugal
- criar um bilhete que dê para várias instituições museológicas 
- tornar a chegada a Braga mais 'amigável' colocando um mini-posto de turismo na estação de comboios, e na central de camionagem colocar indicações para o posto de turismo. 
- facilitar a criação de hotéis para os vários leques etários ou económicos, principalmente os dois extremos (turismo sénior e de jovens adultos) 
- urbanização (zoning) duma área de diversão noturna sem residentes que sejam incomodados. 
- apoiar o associativismo, especialmente aquele que traz estrangeiros a Braga; 
- chamar as associações de jovens a dinamizarem programas de animação na cidade; 
- na medida do possível, incentivar a constituição de Associações de Moradores e/ou Comerciantes com a finalidade específica (sem prejuízo das demais previstas na lei) do embelezamento de zonas determinadas 
- delinear, marcar e divulgar itinerários de peregrinação (Santiago, Fátima, São Bentinho, Sameiro, Peneda, etc.), de preferência em colaboração com outras autarquias e mesmo com outras instituições como Confrarias, Associações de Amigos, etc. 
Parece-me que, a nível de turismo, precisamos fundamentalmente de criar sinergias entre os vários parceiros interessados e a CMB poderá assumir um papel charneira nisso e de ideias. 
O outro grande trunfo histórico de Braga é a sua herança romana, mas acho que o atual presidente da CMB fez tanto para destruir a enorme herança nos seus primeiros anos (a «urbanização» da colina de Maximinos, por exemplo) que agora pouco mais se consegue do que aquelas fantochadas da «feira romana», só para não ser medieval... 

Ricardo Rio comemorou Dia Internacional da Mulher com Autarcas do “Juntos Por Braga”

No Comments »


Como forma de comemorar o Dia Internacional da Mulher, que se celebrou no dia 8 de Março, Ricardo Rio almoçou com diversas eleitas do “Juntos Por Braga” para os diversos órgãos locais (Assembleia Municipal, Câmara Municipal, Assembleias de Freguesia e Juntas de Freguesia).

Esta iniciativa foi uma oportunidade para promover o convívio e a boa disposição e, numa vertente mais séria, para realçar a importância crescente das mulheres na sociedade e na política. “É com grande satisfação e orgulho que me vejo rodeado de tantas mulheres com responsabilidades políticas activas e que têm uma palavra a dizer quanto aos destinos do nosso Concelho. É sinal de que estamos a caminhar no sentido certo”, afirmou Rio. 

O líder do “Juntos Por Braga” salientou que, na luta pela igualdade plena das mulheres na sociedade, há sempre mais alguma coisa a fazer. “Apesar de termos evoluído imenso, é possível fazer mais e melhor. Da nossa parte, sempre lutamos pelo princípio da igualdade de oportunidades e vocês são o melhor exemplo disso”, referiu, falando directamente às mulheres presentes no almoço. 

Rio recordou que os “Juntos Por Braga” candidataram em 2009 cerca de 3 centenas de mulheres aos diversos órgãos autárquicos, incluindo quatro candidatas à Presidência de Juntas de Freguesia (em Lamas, Morreira, Passos S. Julião e Dume). Destas, cerca de uma centena foi eleita para os vários órgãos locais, encontrando-se em funções e em cargos de grande responsabilidade. 

“O nosso critério de escolha sempre foi a qualidade das pessoas para servirem a população Bracarense, independentemente de serem homens ou mulheres. É uma questão de justiça a que a recente lei apenas acrescentou condicionantes matemáticas na respectiva ordenação nas listas”, garantiu. 

A concluir, Rio deixou um agradecimento a todas as mulheres presentes pelo trabalho fantástico que têm efectuado nos diversos cargos que ocupam. “Vocês são, sem sombra de dúvida, uma das principais razões para o sucesso do trabalho que temos vindo a desenvolver”, enfatizou Rio, que salientou ainda que as mulheres acrescentam elementos fundamentais à gestão das Autarquias, “pelo seu bom senso, pela sua capacidade de trabalho, pela sua criatividade e pela especial sensibilidade”. 

Por seu turno, as eleitas do “Juntos Por Braga” agradeceram a iniciativa e comprometeram-se a continuar a desenvolver um trabalho meritório em prol do progresso da cidade. “Agradecemos os elogios e queremos, no futuro, assumir um papel ainda mais determinante na política Bracarense, contribuindo para envolver cada vez mais mulheres no projecto de mudança liderado pelo Dr. Ricardo Rio”, garantiram. 

“Este é o momento ideal para nos lembrarmos que a luta pela igualdade é uma luta que não se esgota. Ao longo do tempo, as mulheres têm dado inúmeras provas de que são capazes de trabalhar de forma igual ou melhor do que os homens, e é esse valor que queremos ver reconhecido. E se é verdade que os progressos nesta área são imensos, também não deixa de ser verdade que, em questões como o desemprego, a precariedade, a remuneração salarial ou a exclusão, ainda existe alguma discriminação”, concluíram.

Ricardo Rio visitou Agrupamento de Lamaçães

No Comments »



Integração do Jardim-de-infância na Escola Primária é uma prioridade

No seguimento de um conjunto de encontros com agentes da área educativa - e que têm por objetivo incentivar a aproximação às comunidades escolares, perceber as suas dinâmicas, os seus projetos e as suas necessidades em cada momento -, Ricardo Rio visitou diversas Escolas que fazem parte do Agrupamento de Lamaçães. João Dantas, Diretor do Agrupamento, acompanhou Rio durante a iniciativa. 

O líder do “Juntos Por Braga” realçou o trabalho pedagógico “muito positivo” que está a ser desenvolvido por toda a comunidade educativa em Lamaçães, em especial no que se refere à inclusão social e educativa de cidadãos com necessidades especiais. “Este Agrupamento desenvolve um esforço notável para integrar essa população e dar-lhe todas as condições para poderem obter sucesso escolar”, salientou. 

Rio destacou que também ao nível da interação com a comunidade em que está inserido o Agrupamento de Lamaçães tem efetuado um “excelente trabalho”: “Prova disso são os sucessos desportivos que estes alunos obtêm e que têm abrilhantado a nossa cidade, lançando vários jovens para a prática competitiva ao mais alto nível em diversas modalidades, mas em especial no badminton e voleibol”. 

Por outro lado, o candidato à Presidência da Câmara de Braga notou as realidades muito distintas entre si que encontrou durante a visita às várias escolas do Agrupamento. “Deparamo-nos com situações que merecem uma intervenção por parte do município, sendo o mais evidente e urgente de todos o projeto de requalificação da escola EB1 do Bairro Duarte Pacheco”, afirmou, enfatizando que os “Juntos Por Braga” vão apoiar a pretensão do Agrupamento de reinstalar nessa escola o Jardim-de-Infância atualmente localizado no complexo Bracara Augusta e que não dispõe das melhores condições para as crianças. 

“Vamos apoiar o projeto da instalação de três novas salas na Escola EB1 para concretizar essa mudança, de maneira a que se possa dotar o Jardim-de-Infância de melhores condições de funcionamento e criar algumas sinergias com a população que frequenta o 1º ciclo”, garantiu Rio, que lembrou que também neste contexto são dadas respostas essências às necessidades da população de surdos não só do concelho, mas de todo o distrito de Braga. 

João Dantas, Diretor do Agrupamento, afirmou que o projeto de requalificação já está na Câmara Municipal, que se terá mesmo comprometido a ceder um espaço contíguo na Escola do Bairro Duarte Pacheco para instalação do novo espaço do Jardim-de-Infância Bracara Augusta. “Agora, é preciso que todos estes planos saiam do papel e efetivamente se concretizem. Da nossa parte, continuamos a aguardar tranquilos, porque o compromisso existe, e esperamos que, para bem das crianças, em breve esta questão seja desbloqueado e se possa resolver”, disse, ao mesmo tempo que pediu à Câmara Municipal uma atitude de maior abertura e diálogo. 

Segundo João Dantas, após a conclusão dessas obras, o Agrupamento terá conseguido reunir todas as condições de satisfação para a comunidade. “ Obviamente que há sempre coisas a melhorar, mas acho que após a integração do Jardim-de-Infância na Escola EB1, esta comunidade educativa poder-se-á orgulhar de ter os seus filhos num Agrupamento que lhes garante condições para atingir o sucesso e para, no futuro, integrarem o nosso tecido social com prazer e satisfação”, afiançou. 

A concluir a visita, Ricardo Rio esteve no novo centro escolar de Lamaçães, um equipamento que, na sua ótica, é extremamente positivo e que tem prestado um serviço relevante à comunidade. No entanto, deixou alguns reparos: “Este centro apenas tem duas salas de Jardim-de-infância, ao invés das três que seriam desejáveis e que permitiriam precisamente cobrir os três anos. O enquadramento urbanístico também não é o mais desejável para um equipamento desta natureza”, notou Rio, que apesar destes fatores considerou que a escola reúne ótimas condições para os alunos que a frequentam. 

Ricardo Rio exige mais informação para os cidadãos

No Comments »

Tendo em conta os sucessivos atropelos administrativos e formais, a incoerência entre diferentes peças produzidas pela Autarquia e a desconformidade destas com a realidade no terreno, Ricardo Rio exigiu hoje de manhã em Conferência de Imprensa a revogação do Despacho do Presidente da Câmara Municipal de 1/07/2003 que viabilizava a instalação de parquímetros em 90 ruas do centro da cidade e a produção de nova deliberação de que constem exclusivamente as ruas em que os mesmo já estão instalados. 

Pode obter mais informações sobre esta e outras matérias relevantes relativas a este processo no vídeo disponibilizado pela TV Minho: 


Desta tomada de posição, resultou a proposta a submeter à próxima reunião do Executivo Municipal abaixo apresentada:


PROPOSTA 

Considerando que:
i) Por Despacho do Presidente da Câmara Municipal de Braga de 1 de Julho de 2003 (depois vertido para o Edital 144/2003) se abre a possibilidade de instalação de parquímetros em cerca de 90 artérias desta cidade, através da mera publicitação de tal decisão por parte da Autarquia;

ii) Apesar de tal prorrogativa, a Autarquia restringiu até ao início deste ano, e numa lógica de bom senso e de defesa do interesse público, a instalação de parquímetros a um leque restrito de artérias do centro da cidade, de matriz predominantemente comercial;

iii) Na sequência da errónea decisão de concessão a privados da gestão das zonas de estacionamento pago, entendeu também a maioria socialista do Executivo Municipal proceder o alargamento das zonas de estacionamento de duração limitada num conjunto de 27 artérias listadas no Edital nº 11/2013;

iv) Pese embora as sucessivas correcções ao Regulamento em vigor, não é possível hoje identificar de forma clara quais são as zonas efectivamente abrangidas pela colocação de parquímetros, prejudicando significativamente a transparência da gestão municipal e a defesa do interesse e do acesso à informação pelos cidadãos;

v) A consulta do Regulamento e respectivos anexos induzem os cidadãos numa clara confusão, na medida em que omitem ruas que já estavam abrangidas por parquímetros e incluem ruas hoje de natureza pedonal, o que atesta da falta de rigor da elaboração de tais documentos, muito por força da reacção à pressão pública sobre esta matéria;

vi) Os Bracarenses têm o direito de saber, de forma clara e objetiva, em que zonas da cidade é obrigatório pagar o estacionamento à superfície, e compete à Câmara Municipal de Braga fornecer essa informação aos munícipes de forma directa e acessível para todos;

vii) É necessário clarificar rapidamente quais as intenções da Autarquia, no presente e no futuro, relativamente ao alargamento das zonas de estacionamento pago, que a Câmara ainda está legitimada a efetuar segundo o Despacho de 1 de Julho de 2003,


Submete-se à apreciação do Executivo da Câmara Municipal de Braga, reunido em sessão ordinária, a 14 de Março de 2012, as seguintes propostas. Deve a Câmara Municipal de Braga proceder:

a) à revogação imediata do Despacho do Senhor Presidente de Câmara, do dia 1 de Julho de 2003, posteriormente vertido para o Edital nº 144/2003;

b) à elaboração de uma nova deliberação do Executivo Municipal em que sejam efectivamente especificadas quais as artérias abrangidas pelo regulamento de estacionamento pago à superfície e onde podem ser instalados parquímetros;

c) à publicitação legal da deliberação referida na alínea anterior, com indicação expressa de que o mesmo substitui todos os editais anteriores.

Braga, 7 de Março de 2013
Os Vereadores eleitos pelo PSD e pelo CDS-PP